quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Pode falar, Senhor… Estou ouvindo

Pode falar, Senhor... Estou ouvindo.

Ontem finalizei minha leitura do livro “Pode falar Senhor… Estou ouvindo” de Loren Cunningham, e ao término, minha expressão foi: Uau!
Fiquei bastante impressionada em como Deus cria as coisas do nada, nos chama em sua obra, nós seremos mortais, para fazemos algo grandioso em Seu nome.
O livro é repleto de experiências, testemunhos de vida, de jovens que se dedicaram ao trabalho missionário integral, a partir de uma visão que Deus deu ao fundador da JOCUM (Loren Cunningham), onde muitas jovens levariam a Palavra do Senhor, como ondas, algo forte e dinâmico. Só Deus mesmo.

Aconselho a leitura desse livro. Vemos as facetas de Deus quanto a Sua forma de falar. Entendemos também o quanto somos dependentes dEle, e se não for Sua misericórdia, nos desviamos rapidamente do propósito original: amar ao Senhor sobre todas as coisas, e ao nosso próximo como a nós mesmos.

A seguir, colocarei a última parte do livro que nos mostra diversas formas de ouvirmos a orientação de Deus, e abre nossos olhos para nos enganarmos com qualquer coisa que achamos ser o certo ou a voz de Deus.

Ouvindo a Orientação de Deus
(DOZE PONTOS A SER LEMBRADOS)

Quem conhece a Deus já ouviu a voz dele, aquela orientação interior que o levou a buscá-lo. Jesus estava sempre recebendo orientação dele. O que tentamos fazer neste livro foi descrever algumas formas pelas quais nossa sintonia com ele pode tornar-se mais precisa. Essas verdades que descobrimos não são mera teoria; elas nascem de nossa própria experiência com Deus.

1. Não devemos complicar muito essa questão da orientação divina. Na verdade, é mais difícil não ouvir a voz de Deus, se de fato desejamos agradar-lhe e obedecer-lhe. Ele prometeu guiar-nos sempre, se nos mantivermos humildes (Pv 16.9).
Três passos simples, que nos ajudam muito a aprender a ouvir a voz de Deus:

  • Submeter-nos ao Senhorio do Senhor. Peça-lhe que o ensine a silenciar, em sua mente, seus próprios pensamentos, opiniões e desejos, bem como as opiniões de outros (2 Co 10.5). Embora você seja uma pessoa inteligente, dotada de uma boa mente, no momento você só deseja ouvir a mente do Senhor, que é muito superior (Pv 3.5,6).
  • Resistir ao inimigo, caso ele esteja tentando enganar-nos. Faça uso da autoridade que Jesus Cristo lhe conferiu para silenciar a voz do inimigo (Tg 4.7; Ef 6.10-20).
  • Aguarde uma resposta. Depois de fazer ao Senhor a pergunta que está em sua mente, espere a resposta dele. Esteja certo de que o seu amado Pai celestial lhe falará, pois ele o fará (Jo 10.27; Sl 69.13; Êx 33.11).

2. Devemos esperar que Deus nos fale da maneira que ele quiser. Não tentemos ditar para ele as normas com respeito aos métodos de orientação que preferimos. Ele é o Senhor, nós os servos (1 Sm 3.9). Então escutemos com coração humilde diante dele. Existe uma relação muito profunda entre uma atitude de rendição a ele e sua comunicação conosco. Ele pode falar-nos de vários modos.

Através de sua Palavra – ele nos fala no tempo diário de estudo da Bíblia, ou então pode dirigir nossa atenção por um determinado versículo (Sl 119.105).
Por meio de uma voz audível (Êx 3.4). Por meio de sonhos (Mt 2) e visões (Is 6.1; Ap 1.12-17). Mas talvez o meio mais comum seja o da silenciosa voz interior (Is 30.21).

3. É preciso confessar todo o pecado que ainda não foi colocado diante de Deus para ser perdoado. Para ouvirmos a Deus, é preciso que tenhamos um coração puro (Sl 66.18).

4. Temos que aplicar o principio do machado – esta expressão é tirada do relato de 2 Reis 6. Quando temos a impressão de haver perdido o caminhos, temos que voltar à última situação em que ouvimos o fio agudo e cortante da voz de Deus. Isto feito, obedeçamos. A pergunta que cabe aqui é: você obedeceu à última ordem que Deus lhe deu?

5. Recebamos nossa orientação diretamente de Deus. Deus poderá enviar outras pessoas para confirmar uma orientação que nos deu, mas temos que recebê-la diretamente dele também. É muito perigoso confiar só nos outros, para recebermos a mensagem de Deus (1 Rs 13).

6. Não devemos conversar com ninguém acerca da orientação recebida, enquanto Deus não nos der permissão para fazê-lo. Por vezes, ele dá imediatamente; em outras, há um intervalo de tempo. O principal objetivo dessa espera da permissão de Deus é evitar que caiamos em quatro erros comuns nesta questão de orientação divina: (1) orgulho, por Deus haver-nos falado alguma coisa; (2) presunção, se falarmos sem termos plena compreensão do assunto; (3) errar na questão do tempo e método próprios de Deus; (4) criar confusão na mente de outrem, que também precisa de uma preparação prévia (Lc 9.36; Ec 3.7; Mc 5.19).

7. Temos que aplicar o princípio dos reis magos. Assim como os reis magos seguiram a estrela, cada um de seu lugar, e assim fazendo acabaram sendo guiados ao mesmo Cristo, assim também Deus pode usar duas ou três pessoas, ou mais, que sejam espiritualmente sensíveis, para confirmar algo que está-nos dizendo (2 Co 13.1).

8. Acautelemo-nos contra falsificações. Todos já ouvimos falar de dinheiro falsificado. É claro. Mas alguém já ouviu falar de sacos de papel falsificados, por exemplo? Não. A razão é que só as coisas de muito valor correm o risco da falsificação.
Satanás tenta criar uma cópia de tudo que Deus cria e que é passível de falsificação (At 8.9-11; Êx 7.22). As orientações falsas podem vir através de tábuas de ouija, sessões espiritas, leitura de sorte, astrologia (Lv 20.6; 19.26; 2 Rs 21.6). A orientação que nos vem do Espírito Santo nos leva a nos aproximarmos mais de Cristo e a nos tornarmos mais livres. Uma orientação que nos venha de Satanás, afasta-nos mais de Deus e nos coloca em cativeiro.
Uma prova muito importante, a que podemos submeter qualquer orientação recebida, é: ela está em harmonia com os ensinos bíblicos? O Espírito Santo nunca contradiz a Palavra de Deus.

9. Muitas vezes, uma oposição que recebemos dos homens pode ser uma orientação divina (At 21.10-14). Em nosso próprio caso, por exemplo, bem mais tarde viemos a reconhecer que o bloqueio que recebamos de nossa denominação era, na verdade, orientação divina para que ampliássemos o raio de nosso ministério. O ponto-chave aqui é estar submisso a Deus, (Dn 6.6-23; At 4.18-21). Um ato de rebelião nunca pode proceder de Deus, mas às vezes o Senhor orienta no sentido de nos afastarmos de nossos líderes, não por um ato de rebeldia, mas para a concretização de um aspecto do plano que ele tem para nós. Confiemos em que ele irá mostrar-nos a diferença entre essas duas situações.

10. Cada seguidor de Cristo tem um ministério particular (1 Co 12; 1 Pe 4.10,11; Rm 12; Ef 4). Quanto mais procurarmos ouvir a orientação divina, em todos os pormenores, mais eficientes seremos em nossa missão. Essa comunicação com Deus não é uma brincadeira – é um assunto muito sério, pelo qual ficamos sabendo o que Deus deseja que façamos, e como ele quer que o façamos. A vontade de Deus é que digamos e façamos a coisa certa,  o lugar certo, junto com as pessoas certas, no momento certo, na seqüencia certa, sob a liderança certa, aplicando o método certo e com a atitude certa.

11. Depois que adquirimos prática em ouvir a orientação de Deus, isso se torna mais fácil. É como atender ao telefone e reconhecer de imediato a voz do nosso melhor amigo; e reconhecemos aquela voz, porque já a ouvimos muitas vezes. Veja o caso de Samuel, quando pequeno e depois quando mais velho (1 Sm 3.4-7; 8.7-10; 12.11-18).

12. A principal razão por que devemos nos empenhar em ouvir a voz de Deus é o relacionamento com ele que disso advém. Ele não é apenas um Deus infinito mas também pessoal. Se não nos comunicarmos com ele, não teremos também um relacionamento pessoal com o Senhor. Como Darlene mencionou, a verdadeira orientação consiste em aproximar-nos cada vez mais de nosso Guia. Na medida em que Deus nos fala, mais nós ouvimos e obedecemos, alegramos o coração dele, e aprendemos a conhecê-lo melhor (Êx 33.11; Mt 7.24-27).

Pode Falar, Senhor… Estou Ouvindo – Loren Cunningham e Janice Rogers

Muito bom, não é? Que Deus nos levante com esse propósito: ouvir a voz de Deus, e obedecer… Não importando as circunstancias!

Até mais,

Fiquem com Deus!

Um comentário: